Tarsila do Amaral

Este slideshow necessita de JavaScript.

Só a antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente.
Única lei do mundo. Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os coletivismos. De todas as Religiões. De todos os tratados de paz.
Tupi, or not tupi, that is the question.  (Do Manifesto Antropofágico)

Tarsila do Amaral é um dos raros nomes de mulheres artistas que aparece com freqüência nas escolas, livros didáticos e prateleira de livrarias. O reconhecimento de seu trabalho é uma feliz dissonância no que diz respeito as mulheres artistas e hoje, no dia em que completam 125 anos desde seu nascimento, lhe prestamos homenagem com essa postagem.

Tarsila nasceu em Capivari, São Paulo, em 1886 e faleceu em 1973. Vinda de família rica de fazendeiros, tarsila viajou diversas vezes para Espanha, Portugal e França onde estudou escultura e pintura. No Brasil, fez uma polêmica exposição solo em 1917, já dando os primeiros passos do modernismo brasileiro que teve como marco a Semana de Arte Moderna de 1922.

Uma das tônicas do modernismo brasileiro, assim como ocorreu por toda América Latina nesse período, foi uma busca por raízes e referências o mais distanciadas possível dos colonizadores, representados pela Europa ocidental. Parece contraditório, a princípio, que os artistas envolvidos nesse movimento fossem estudar justamente na Europa e assumissem claras influências de vanguardas européias, como o cubismo. Mas uma simples palavra pode deixar essa relação mais compreensível: Antropofagia.

Antropofagia é uma palavra mais chique para canalismo e, para os artistas dessa época, incluindo Tarsila, significava também comer culturas, influências, referências, para digerí-las e vomitar uma coisa nova. Uma espécie de apropriação mais viceral. Sobre originalidade na arte Tarsila escreve:

“Qual o pintor, o escultor, o artista, enfim, que já apresentou um trabalho original no sentido estrito da palavra? A originalidade está na primeira obra de arte que se fez perdida no nevoeiro dos tempos e o criador dessa obra, não trazendo em si certamente idéias inatas, agiu influenciado pelo ambiente. (…)”

Suas pinturas cheias de cores e formas arredondadas, retratam imagens com recorrentes referências ao cotidiano popular brasileiro, sendo que vez ou outra as imagens parecem pender para o onírico ou expressão de sua subjetividade, como acontece com “A lua” (acima) e “Urutu” (ao lado), amabas de 1928.

Tarsila, ao lado de Anita Malfatti, de certa forma abriram precedentes para artistas brasileiras posteriores que também conseguiram ser reconhecidas.

Tauana M.

Fontes:
Amaral, Tarsila. tarsila por tarsila. São Paulo: Celebris, 2004.
Ades, Dawn. Arte na América Latina. São Paulo: Cosac & Naif, 1997.

Sites:
http://www.tarsiladoamaral.com.br/
http://www.historiadaarte.com.br/tarsila.html
Itaú cultural – Tarsila do Amaral

2 comentários em “Tarsila do Amaral”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s