Entrevista com Zanele Muholi sobre exposição “fragmentos de uma nova história”

Entrevista com fotógrafa sul africana

(audio em inglês e Legenda em espanhol)

Louise Bourgeois: O Retorno Do Desejo Proibido

Arte é uma garantia de sanidade – Louise Bourgeois

No ano passado, aproveitando uma promoção dessas de passagens aéreas, tive a oportunidade de visitar a exposição da Louise Bourgeois que ocorreu em São Paulo. Até agora não tinha escrito sobre essa exposição porque quanto mais eu admiro uma artista, mais receio de escrever eu tenho. Mas agora achei que devia aproveitar o 8 de março para criar coragem e escrever esse texto em homenagem a essa artista tão maravilhosa que é a Bourgeois.

A exposição ocorreu no Instituto Tomie Othake com o nome de “Louise Bourgeois: O Retorno do Desejo Proibido”  e teve curadoria de Philip Larratt-Smith, que enfocou a relação da artista com a psicanálise. Essa escolha se deu por conta da descoberta feita por Jerry Gorovoy – que trabalhou durante vários anos como assistente de Louise – de textos da artista escritos entre 1952 e 1967, período em que  passava por intenso processo na psicanálise. O curador comenta ainda que “Os surrealistas exploraram as possibilidades plásticas do imaginário dos sonhos e os abstrato-expressionistas desejavam mergulhar na inconsciência, mas de fato é Bourgeois quem mais, dentre todos os artistas do século 20, esteve engajada com a teoria psicanalítica e sua prática. Eu acho até surpreendente que essa mostra seja a primeira a apresentar esse foco.”

Comecei a ver a exposição por uma sala com desenhos e pinturas que eu não conhecia, mas que eram coerentes com o todo da obra da artista. Porém, mesmo sendo interessantes e fortes, os trabalhos bidimensionais, no geral, possuem só uma fração do que Bourgeois traz nas instalações e esculturas. A primeira instalação que vi foi o “Quarto Vermelho”, de 1994. As paredes são feitas de portas, numa quase espiral. Vemos a cena por frestas, por um espelho, pelos cantos, nunca de frente. Os elementos vão se fazendo presentes aos poucos. Aqui um brinquedo, ali um travesseiro pequeno com “jê t’ame” [eu te amo] bordado, mais no alto uma gosma endurecida presa por um prego, do outro lado…. Os artigos são todos antigos, o que contribui para uma sensação de que ele habita algum lugar nos confins obscuros da memória, um lugar permeado por uma sensação de clausura e que, por algum motivo, ao menos para mim, também é repleto de medo e familiaridade. É como se ela trouxesse para o mundo físico alguma memória oculta no subconsciente.

Essa sensação me acompanhou também nas outras duas instalações maiores: “Acusado número II”, de 1998, que foi a primeira que me fez querer chorar, e “Aranha”, de 1997, que me deu a sensação de estar tremendo por dentro, talvez pelo turbilhão de sensações e emoções, algumas até mesmo contraditórias, que ela gerava. Cada uma delas é cheia de detalhes e cada detalhe dá margem um milhão de possibilidades de interpretação. O resultado dessa equação é que dá vontade de ficar muito tempo em um só trabalho, desvendando seus detalhes, suas possibilidades, suas provocações. Mas ainda havia muito o que ser visto.

Continuando, estavam as diversas esculturas espalhadas em salas diferentes, feitas principalmente em bronze e tecido, embora outros materiais estivessem presentes. Se as instalações forneciam um clima e um ambiente não habitado, as esculturas continham várias versões de seres vivos, habitantes desse terreno obscuro do subconsciente. Muitas figuras eram ao mesmo tempo uma e muitas, várias não tinham sexo nem gênero, outras eram o próprio sexo. Nessa terra de habitantes multifacetados, sem corpos, sem cabeça, haviam também formas orgânicas não definidas e uma espiral ascendente que se repetiu com alguma freqüência. Um caminho? Uma sensação?

Um escultura que eu conhecia por imagem e que me foi arrebatadora  ao vivo foi “O Arco da Histeria”, de 1993. Um corpo dourado sem cabeça e sem sexo arqueado para trás, como acontecia com algumas mulheres diagnosticadas como histéricas, suspenso no ar. Nessa foi difícil segurar o choro (coisa que fiz por medo de não conseguir parar). A escultura quase grita… Ver a exposição de Bourgeois não é como um passeio no parque. É ao mesmo tempo delicioso e sofrido, porque, no que parece ser uma busca pela própria verdade, ela vai fundo e mexe onde normalmente não se quer mexer. Faz todo o sentido que ela tivesse a arte como uma “garantia de sanidade”, e que o curador se surpreenda por ter sido esta a primeira exposição de Bourgeois que teve o enfoque na sua relação com a psicanálise, afinal mesmo quem vê/vivencia seus trabalhos é impulsionado/a a confrontar os próprios temores, traumas e questões.

Tauana M.
Materia da folha com entrevista feita com o curador da exposição:   http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/938294-exposicao-mostra-como-psicanalise-transformou-louise-bourgeois.shtml

Armários do Livro Didático

Deixo aqui, disponível para baixar, a monografia de conclusão do curso de Licenciatura em Artes Visuais que escrevi no segundo semestre de 2010, analisando o discurso sobre gênero e sexualidade de um livro didático de artes visuais bastante difundido: “História da Arte”, de Graça Proença. Compreendo que o trabalho tem várias limitações (incluíndo o número máximo de páginas, que é bem pequeno) e, mesmo por isso, críticas e comentários a seu respeito são muito bem-vindos!

Tauana M.

Claude Cahun

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nasceu em Nantes, França, em 1894 e faleceu em 1954.

Misture as cartas. Masculino? feminino? Depende do caso. Neutro é o único gênero que me cabe. Se existisse na nossa linguagem não haveria essa ambigüidade no meu pensamento. Eu seria uma abelha trabalhadora de uma vez por todas. – Claude Cahun em avec non avenus, 1930.

Claude Cahun foi umx artista um tanto distintx, que escolheu esse nome justamente por sua ambigüidade de gênero.  Originalmente chamadx Lucy Renée Mathilde Schwob, elx passou por Claude Courlis e Daniel Douglas até escolher o nome com que ficou mais conhecidx. Exatamente por essa escolha e pela dúvida gerada em torno de sua identidade de sexual e de gênero (algumas pessoas x consideram transexual FTM  e outras a consideram uma mulher lésbica que brincava com os gêneros) que escolhi tirar desse texto as desinências de gênero, substituindo-as por x.

Filhx de uma mulher com transtornos mentais, Cahun foi criadx pela avó, Mathilde Cahun, e desde 1912, com 18 anos, trabalhou com auto-retratos em que assumia identidades distintas. No início dos anos 20, elx foi para Paris com sua parceira e quase-irmã (os pais se casaram) com a qual se relacionou durante toda a vida, Suzanne Malherbe. Suzanne colaborou com Claude em diversos trabalhos escritos, esculturas e fotomontagens, adotando o também ambíguo nome Marcel Moore. A respeito de hetero e homossexualidade Cahun diz o seguinte:

“Minha opinião sobre homossexualidade e homossexuais é exatamente a mesma que a minha opinião sobre heterossexualidade e heterossexuais. Tudo depende dos indivíduos e das circunstâncias. Eu reivindico uma liberdade geral de comportamento”. Calude Cahun, 1925.

Em 1932 Cahun entrou para a Association des Ecrivains et Artistes Révolutionnaires [Associação de Escritores e Artistas Revolucionários] onde conheceu André Breton e René Crevel e começou a se associar ao grupo surrealista. Elx participou de diversas exposições surrealistas, como London International Surrealist Exhibition [Exposição surrealista internacional de Londres] e Exposition surréaliste d’Objets [exposição surrealista de objetos], em Paris.

Claude Cahun e Marcel Moore se mudaram para Jersey em 1937 e, com a ocupação da Alemanha nazista, o casal ia para eventos militares colocando panfletos anti-guerra estrategicamente nos bolsos do oficiais, em seus acentos, carros e janelas. Esses panfletos, no geral, eram feitos a partir de relatórios da rádio BBC com as atrocidades cometidas pelos nazistas, traduzidos do alemão, recortados e montadas como poemas altamente críticos. A dupla foi presa e ambxs condenadas a morte e, embora a sentença não tenha sido executada, a saúde de Cahun ficou bem debilitada durante a prisão e elx acabou falecendo em 1954. Seu corpo está enterrado ao lado do de sua parceira.

O trabalho escrito de Cahun inclui uma série de artigos e ensaios publicados em revistas e jornais da época, além de livros como Avec non avenus” (1930), com  registros de sonhos e ensaios, ilustrado com fotomontagens , e “Heroines” (1925), que contém uma coletânea de monólogos de personagens femininos mal-compreendidos de contos-de-fada, como Judith, Sappho, Cinderela e Eva. De acordo com Cahun o “Feminismo já está nos contos-de-fada”. Moore, que era artista gráfica, fez as ilustrações desse livro, como a que se encontra ao lado.

O trabalho mais conhecido dx artista são as fotografias em que elx se retrata ora de forma andrógena,  ora mais marcadamente masculina ou feminina. Ao contrário dos outros componentes do grupo surrealista parisiense que retratavam mulheres como símbolo do erotismo, Claude explorava diversas versões do feminino, diversas formas de existir. Tratar de política, ser judia,  transitar por gêneros e possuir uma sexualidade não-normativa além de trabalhar uma poética trans parece ter lhe rendido um empurrão para fora da história da arte.

Tauana M.

Fontes:

Guerrilla Girls. The Guerrilla Girls’ Bedside Companion to the history of western art. Penguin, 1998.

http://fotoclubef508.wordpress.com/2009/03/29/claude-cahun/ (português)

http://www.all-art.org/art_20th_century/cahum1.html (inglês)

http://www.queerculturalcenter.org/Pages/Tirza/TirzaEssay1.html (inglês)

http://www.answers.com/topic/claude-cahun (inglês)

Márcia X.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nasceu no Brasil e faleceu em 2005.

A artista trabalha com performance, instalação e objetos, sendo que, em alguns casos, sua ação performática resultava numa própria instalação com os resquícios dessa ação como nas obras Desenhando com Terços¹(2000) e Pancake (2001).

Márcia Pinheiro adota o X em seu pseudônimo em razão de uma querela com uma estilista homônima por conta da repercussão de uma de suas performances em uma coluna social. O X da artista é múltiplo: enigmático, símbolo de variável na matemática e, em trio, pornográfico (XXX).

A respeito de sua trajetória artística, Márcia X tece algumas considerações: “No princípio dos anos 90, realizei instalações e performances que têm como principal estratégia transformar objetos pornográficos em objetos infantis e objetos infantis em objetos pornográficos, fundindo elementos que estão situados por convenções sociais e códigos morais em posições antagônicas.”²

Utilizando-se de elementos que fazem relação com infância, sexualidade, religião, gênero, misoginia e sexualidade, a artista aborda tabus e a moralidade do ocidente (brasileiro) católico. Talvez por esse fato, sua obra não tem o devido reconhecimento no país. Uma delas, Desenhando com Terços, aliás, foi censurada numa exposição de arte erótica por pressão de grupos católicos e empresários no CCBB em 2006, culminando no cancelamento da mesma.

Em sua Fábrica Fallus (série de 1992-2004), Márcia adorna falos de silicone com penduricalhos, objetos católicos, brinquedos sexuais e brinquedos infantis transformando-os em falos-brinquedos-eróticos. A Fábrica Fallus, ao contrário do que se esperaria de uma fábrica, customiza artesanalmente objetos industriais, artificias.

Aponta talvez a maleabilidade artesanal da construção de sujeitas/os que se confontra com a visão de fixação dogmática da “moral e dos bons costumes” unindo e confrontando símbolos do sagrado e do profano católicos. A associação, nesse trabalho da artista, de símbolos católicos com falo/poder e opressão da sexualidade especificamente da feminina é frutífera: Eva, Madalena e outras que o digam. Márcia articula e joga com todo um conjunto complexo de objetos, dando margem a uma vasta gama de interpretações.Cabe, em relação com a questão anteriormente colocada, pensar  na construção de idéias a respeito das masculinidades, feminilidades além de sexualidades.

¹Vídeo da performance/instalação Desenhando com Terços (2000): http://www.youtube.com/watch?v=TFxO0zpOalI

²Márcia por Márcia. http://www.marciax.art.br/mxText.asp?sMenu=3&sText=16

Referências

http://www.marciax.art.br/mxText.asp?sMenu=3&sText=26

http://www.marciax.art.br/mxText.asp?sMenu=4&sText=46

http://entretenimento.uol.com.br/ultnot/2006/06/13/ult100u5100.jhtm

http://www.gravuracontemporanea.com.br/reportagemnoticia.asp?id=252

http://www.sescsp.org.br/…/20060710_143439_Ens_MarciaX_CadernoVB1_P.pdf

Ana C.